Home / NOTAS ANALÍTICAS / ECONOMIA INTERNACIONAL / ÁSIA / Espanha-China e a maior linha de trem do mundo

Espanha-China e a maior linha de trem do mundo

Download PDF

Desde novembro de 2014, o trem Yixinou opera o maior trajeto ferroviário do planeta, unindo a cidade de Madrid, na Espanha, a distante cidade de Yiwu, na China, passando pela França, Alemanha, Polônia, Bielorrússia, Rússia e Cazaquistão, até chegar ao seu destino, que fica a poucos quilômetros de Shangai.

São um total 13.052 km de viagem, realizados em 20 dias, tempo inferior as viagens feitas por navios de carga, que demoram entre 35 a 40 dias para chegar aos portos do Mediterrâneo, o que reduz consideravelmente as emissões de poluentes e o tempo de deslocamento.

O trem Madrid-Yiwu surge como uma alternativa ao transporte marítimo e como um novo eixo de desenvolvimento, sendo, atualmente, chamado de “Nova Rota da Seda”, ao unir importantes economias de perfis diferentes.

A escolha da Espanha para operar o trem em parceria com a China não foi uma mera casualidade. Além de o país operar como porta de entrada da Europa para os produtos vindos da América, o projeto do trem Yixinou teve que superar importantes desafios logísticos e operacionais, tais como as diferenças no tamanho das bitolas que existem nos variados países por onde o trem passa. A Espanha possui uma bitola diferente do padrão europeu, por esse motivo o país desenvolveu uma série de trens capazes de circular entre diferentes trechos de vias. Por outro lado, a Espanha é o país europeu que possui a maior rede de trens de alta velocidade e sua rede cobre a totalidade do território, estando presente até mesmo em algumas ilhas.

No momento, o custo do transporte ferroviário é maior que o marítimo, devido, principalmente, aos trâmites burocráticos e ao limite de carga das locomotivas. Ainda assim, a Espanha e a China criaram uma instituição chamada FIYE (Fundação para o Intercâmbio entre Yiwu e Espanha) com o objetivo de estimular a utilização da via e aos poucos transformar a mesma na principal alternativa para o comércio entre o Bloco Europeu e os países asiáticos. A China também oferece um espaço publicitário gratuito em sua televisão estatal para as empresas que utilizam o trem.

O fato de passar por importantes economias, tais como a francesa, a alemã e a russa, transforma a linha em um eixo guia para a economia da União, que, aos poucos, supera a crise econômica e os problemas de integração, além de viabilizar uma maior participação aos países da Europa do Leste nos fluxos comerciais para a Ásia.

A redução da demanda chinesa e as sanções econômicas aplicadas a Rússia, devido à Crise da Crimeia, além da burocracia de alguns países, são os maiores desafios do projeto. Até o primeiro trimestre de 2016, o trecho registrou 48 viagens.

O projeto do trem euroasiático deve persistir e servir de exemplo para novas linhas transcontinentais, tais como a Atlântico-Pacífico, entre o Brasil e o Peru, ou a conexão China-Estados Unidos, através do estreito de Bering.

O trem é um transporte eficiente que emite poucos poluentes e, durante muito tempo,  foi responsável por levar o desenvolvimento e a industrialização para diversos pontos do globo, promovendo uma maior homogeneização da produção e da economia. Somente com o auge da indústria automotiva que muitos países fizeram a substituição das ferrovias para rodovias, o que gerou uma maior concentração das atividades produtivas em países com grandes territórios.

Com as novas tecnologias e o aumento da preocupação internacional em relação a emissão de poluentes, o trem volta a ganhar protagonismo e nações do mundo inteiro voltam a investir nessa modalidade de transporte.

———————————————————————————————–

Imagem (Fonte):

http://exportarenaragon.es/wp-content/uploads/2016/03/yixinou.jpg

About Wesley S.T Guerra - Colaborador Voluntário Sênior

formado em Negociações e Marketing Internacional pelo Centro de Promoção Econômica de Barcelona, Bacharel em Administração pela Universidade Católica de Brasília, especialista pós-graduado em Ciências Políticas e Relações Internacionais pela Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo – FESPSP e cursando mestrado em Políticas Sociais e Migrações pela Universidad de La Coruña. Atua como consultor internacional do Escritório Exterior de Comércio e Investimentos do Governo da Catalunha. Fundador do thinktank NEMRI – Núcleo de Estudos Multidisciplinar das Relações Internacionais. Especialista em paradiplomacia, acordos de cooperação e transferência acadêmica e tecnológica, smartcities e desenvolvimento econômico e social. Morou na Espanha, Itália, França e Suíça.

Check Also

O destaque das Mulheres no Governo da Argentina

Desde o início de seu mandato, o presidente argentino Ministério das Relações Exteriores, por exemplo, ...