Home / NOTAS ANALÍTICAS / POLÍTICA INTERNACIONAL / ÁSIA / [:pt]Eleições na Caxemira: altos índices de abstenções e aumento da violência na região[:]

[:pt]Eleições na Caxemira: altos índices de abstenções e aumento da violência na região[:]

Download PDF
[:pt]

No último dia 9 de abril, eleições foram realizadas em Srinagar, uma das capitais do estado de Jammu e Caxemira, para eleger seu representante na Câmera Baixa do Parlamento Indiano, a Lok Sabha[1]. A maior surpresa dessa eleição específica, porém, não foi o resultado das eleições, que determinaram uma mudança no partido que representa Srinagar na Lok Sabha, passando do People’s Democratic Party, partido da atual Ministra Chefe de Jammu e Caxemira, Mehbooba Mufti, para o National Conference, partido de oposição. A surpresa foi que apenas 7,14% dos eleitores votaram e que das eleições emergiu uma nova onda de violência no estado, levando à morte de oito manifestantes e a ferimentos em centenas de indianos, tanto entre os que protestavam como entre os policiais.

A Caxemira é o palco central do conflito entre a Índia e o Paquistão desde a independência dos países, quando o então governador da região, que é habitada majoritariamente por muçulmanos, escolheu se juntar ao Estado indiano. Desde aquele momento, ambos os Estados lutam por um território que, como afirmam Metcalf e Metcalf (2006, p. 124)[2], não possui importância econômica ou estratégica, mas é fundamental para a identidade nacional de ambos os países. Guerras convencionais foram travadas ao longo da metade do século XX, mas, recentemente, o que caracteriza o conflito na área é a guerra irregular, com grupos separatistas, que, de acordo com o Governo indiano, são inflamados e financiados pelo Paquistão, organizando protestos e atirando pedras na polícia e exército indianos.

As diversas interpretações sobre o que está acontecendo na Índia, tanto em relação à votação quanto à espiral de violência, demonstram os diferentes grupos e interesses que permeiam a política indiana. Parte da mídia interpreta o alto grau de abstenção e os protestos como uma mensagem clara da população da Caxemira de desilusão com as instituições política indianas. O ex-Ministro Chefe de Jammu e Caxemira, Omar Abdullah, do partido National Conference, em entrevista para o Hindustan Times, concluiu que, devido a esse cenário de descontentamento e instabilidade da região, Mehbooba Mufti deve renunciar ao seu cargo. Outra interpretação para o que está acontecendo é apresentada pelo Governo e pelo Exército indianos, afirmando que os eleitores, apesar de pretenderem ir às votações, foram impedidos pela violência das ruas, originada por grupos terroristas financiados pelo Governo paquistanês.

A falta de estratégias concretas para trazer a paz a uma área violenta e instável há décadas e o uso excessivo de força pela política indiana, que amarrou um manifestante em seu veículo para evitar o ataque a sua frota semana passada, vão ao encontro da primeira narrativa. O fato de a morte do líder do Hizb-ul-Mujahideen, principal grupo separatista da Caxemira e de ideologia pró-Paquistão, ter levado mais de 300 mil pessoas às ruas em luto em julho do ano passado (2016), porém, é um meio de conectar ambas as interpretações e começar a entender o que está acontecendo na região. A insatisfação com o descaso do Governo central em lidar com a questão da Caxemira pode estar levando os indianos daquele território a procurar outras alternativas. Sendo a área, porém, central para o orgulho e nacionalismo indianos, o cenário futuro aponta para a continuidade da instabilidade e, consequentemente, para o aumento das tensões entre Índia e Paquistão.

———————————————————————————————–                    

Notas e Fontes consultadas, para maiores esclarecimentos:                                              

[1] Ocorrem eleições fora de época, chamadas na Índia de bypolls, pois, de acordo com a Constituição indiana, quando um membro do Parlamento abdica de seu cargo, devem ser feitas eleições para substitui-lo.

[2] METCALF, B. D.; METCALF, T. R. A Concise History of Modern India. Second Edition. Cambridge: Cambridge University Press, 2006.

———————————————————————————————–                    

Imagem 1 Região da Caxemira” (Fonte):

https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/thumb/6/6f/Kaschmir_umstrittene_Gebiete-pt.svg/862px-Kaschmir_umstrittene_Gebiete-pt.svg.png

Imagem 2Mehbooba Mufti, MinistraChefe do Estado de Jammu e Caxemira” (Fonte):

https://commons.wikimedia.org/wiki/File:Mehbooba_Mufti.jpg

Imagem 3Protestos na Caxemira de Julho de 2016” (Fonte):

https://commons.wikimedia.org/w/index.php?search=kashmir+violence&title=Special:Search&profile=default&fulltext=1&uselang=pt-br&searchToken=3r2zi8yleg10tct048y0lqxkn#/media/File:Kashmir_2016.png

[:]

About Livi Gerbase - Colaboradora Voluntária

Mestranda em Economia Política Internacional pela UFRJ e Bacharel em Relações Internacionais pela UFRGS. Ex-pesquisadora do Núcleo Brasileiro de Estratégia e Relações Internacionais e do Centro Brasileiro de Estudos Africanos. Atualmente é estagiária do the South-South Exchange Programme for the Research on the History of Development (SEPHIS). Se interessa por assuntos relacionados aos países em desenvolvimento e recentemente tem focado no sistema financeiro internacional.

Check Also

Medidas governamentais de atenuação dos efeitos da seca em Cabo Verde

Cabo Verde enfrenta um período de estiagem severa que se prolonga desde o início deste ...