Corrupção na China


Download PDF

Durante a “Assembleia Popular Nacional” (APN), principal Órgão legislativo da China, foi anunciada a “Cooperação Judicial Internacional” e os mecanismos internos para o combate à Corrupção de funcionários governamentais, tanto no país como fora dele.

 

O governo da China quando investiga casos de corrupção deixa a população ciente dos fatos e do processo em andamento, objetivando demonstrar aos chineses que as autoridades estão trabalhando para o povo e não por interesses pessoais.

Segundo dados do relatório de Cao Jianming, “Procurador Geral da China”, mais de 2.500 funcionários distritais e mais de 190 funcionários de nível sub-regional foram investigados. Para obter sucesso no combate à corrupção, a “Cooperação Judicial Internacional” continua sendo reforçada. O sucesso disso levou o país a recuperar mais de 7 bilhões de yuans em ativos ilícitos, resultando ainda na prisão de mais de 1600 foragidos.

Casos de suborno dentro e fora da China não são tolerados pelo Governo e, neste momento em que as economias globais passam por problemas, o país corre para evitar gastos acima de seus orçamentos, tanto internamente, quanto externamente, numa forma de monitorar seus projetos tato no próprio território a China quanto no estrangeiro, coibir desperdícios, impedir perdas financeiras e barrar, dessa forma, o surgimento de  problemas para o crescimento chinês.

————–

FontesCRI”:

Ver:

http://portuguese.cri.cn/561/2012/03/11/1s147516.htm

Ver:

http://portuguese.cri.cn/561/2012/03/11/1s147517.htm /


Fabricio Bomjardim - Analista CEIRI - MTB: 0067912SP

 
acharel em Relações Internacionais (2009) e técnico em Negociações Internacionais (2007) pela Universidade Anhembi Morumbi (UAM). Atua na área de Política Econômica com foco nos países do sudeste e leste asiático, sendo referência em questões relacionadas a China. Atualmente é membro da Júnior Chamber International Brasil-China, promovendo as relações sócio-culturais sino-brasileiras em São Paulo e Articulista da Revista da Câmara de Comércio BRICS. Também atuou como Consultor de Câmbio no Grupo Confidence.