Home / NOTAS ANALÍTICAS / POLÍTICA INTERNACIONAL / AMÉRICA DO NORTE / [:pt]A questão da saída dos EUA do Acordo de Paris[:]

[:pt]A questão da saída dos EUA do Acordo de Paris[:]

Download PDF
[:pt]

Barack Obama, ao fim do mandato, fez uma corrida para garantir a afirmação do seu legado no Governo dos Estados Unidos (EUA), agindo intensamente para a conclusão de assuntos inacabados que são considerados de elevada importância para a Sociedade Internacional. Um desses assuntos diz respeito ao Acordo para o combate às mudanças climáticas, ratificado na Conferência de Paris, ao final de 2015.

A rapidez para implementação do Acordo por parte de Obama se deu por que Donald Trump, atual Presidente norte-americano, mostrou-se contra este Tratado, afirmando que o assunto sobre o aquecimento global “era uma farsa”. Para demonstrar que suas intenções em retirar os EUA do Acordo de Paris são reais, três meses antes da posse ele desativou a Agência de Proteção Ambiental dos EUA (EPA, na sigla em inglês) e deu a Myron Ebell a direção do grupo, sendo este conhecido como um dos principais céticos dos EUA acerca das questões que envolvem o aquecimento global.

Ainda que oficialmente os EUA não tenham confirmado sua retirada Acordo, alguns passos nessa direção começaram a ocorrer na última terça-feira, dia 28 de março, quando Trump assinou uma Ordem Executiva que implementa a independência energética e, consequentemente, cria novos empregos na área de exploração de carvão. Declarou em discurso: “Vocês sabem o que é isso, amigos [mineiros]? Vocês voltarão ao trabalho”. Conforme o plano de Barack Obama, para o combate à emissão de gases de efeito estufa houve o compromisso de sua redução em até 28%, até o ano de 2025, proibindo, entre outras coisas, a exploração mineral em áreas públicas. Nesse sentido, a ação do atual Presidente confronta Obama diretamente e freia os passos do ex-Presidente, contudo, apesar da Ordem Executiva de Trump ter sido confirmada, ela não tem força de lei para a retirar os EUA do Acordo de Paris, mas comprova que o atual Presidente mantém a postura contrária ao Tratado, além de deixar pistas de que as metas podem não ser alcançadas.

Esta recente posição norte-americana despertou nas Nações, em especial na China, o interesse em pedir para que Trump cumpra os compromissos ratificados pela administração anterior. O pedido foi feito na última quarta-feira, dia 29 de março, por meio do Porta-Voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Lu Kang, o qual mencionou que “Ainda acreditamos que todas as partes devem cumprir seus compromissos e implementar o acordo”. As ações da semana passada colocam os países em condição de espera, aguardando os próximos passos dos EUA em relação ao Acordo de Paris.

———————————————————————————————–                    

Imagem 1 Chefes de delegações na COP21, em Paris” (Fonte):

https://pt.wikipedia.org/wiki/Acordo_de_Paris_(2015)#/media/File:COP21_participants_-_30_Nov_2015_(23430273715).jpg

Imagem 2 Donald Trump discursando na cidade de Phoenix, Arizona” (Fonte):

https://pt.wikipedia.org/wiki/Donald_Trump#/media/File:Donald_Trump_(28757570694).jpg

[:]

About Ana Raquel Cordeiro - Colaboradora Voluntária Júnior

Graduada em Relações Internacionais (2014) pela Universidade da Amazônia – PA e profissionalmente atua com gestão de empresas. Áreas de interesse em pesquisa são em Marketing e mídias Internacionais, Conflitos bélicos e étnicos de interesse internacional, dentre outros.

Check Also

Medidas governamentais de atenuação dos efeitos da seca em Cabo Verde

Cabo Verde enfrenta um período de estiagem severa que se prolonga desde o início deste ...